Buscar

Você no Controle da Sua Ansiedade

“A incerteza de quando e como isso passará, o medo da gente ou alguém que a gente ama adoecer, a possibilidade da morte, a perda da subsistência, a exclusão social, a impotência sobre proteger pessoas importantes, a dificuldade de ajustar a rotina com os filhos em casa e mudança na forma de trabalhar – como o home office - são alguns dos fatores que reverberam essa sensação,” diz a especialista Michelli Gonçalves – psicóloga responsável pelo espaço Saúde da Natura Cosméticos.


A adaptabilidade é componente essencial para lidar com a ansiedade. A ansiedade é definida como uma excessiva agitação do sistema nervoso central, é uma sensação desprazerosa e semelhante ao medo.


Os seus efeitos se percebem logo e desaparecem em situações reais ou imaginárias de ausência de controle.

A ansiedade faz com que a gente se sinta pequeno diante das situações e perca o interesse pelas coisas que dão prazer. Ela também desencadeia dificuldade de concentração, de memorização, de elaboração de pensamentos e de tomada de decisões. Insônia , pesadelos constantes, dúvida sobre a própria competência e apatia geral também estão na lista de consequências.


Além dos desgastes mentais, alguns sintomas físicos também podem dar às caras, como a aceleração no coração, sudorese, tremores, tensão muscular, dificuldade para respirar, dores de cabeça, cansaço ao acordar e até queda de cabelo.


COMO CONTROLAR A ANSIEDADE

  • 1. Crie uma rotina

Estabelecer uma rotina é importante para driblar a ansiedade durante o período de afastamento social. Por isso, determine horários para acordar, trabalhar, fazer atividades físicas, se alimentar e descansar. Esse é o momento de pensar em você.

  • 2. Diminua a autocobrança

Use o momento do afastamento social para repensar algumas coisas em relação a sua rotina. Comece por diminuir a auto cobrança. Ninguém consegue dar conta de tudo o tempo todo. Somos seres imperfeitos, em construção aprendemos todos os dias.

Procure ser melhor do que você mesmo nunca se compare com o outro, ele também tem as suas fraquezas. Tem dias que vamos produzir mais, outros menos. E daí? Tudo bem. Exercite a positividade. Valorize as coisas boas do seu dia e aproveite para agradecer.

  • 3. Cuide você e da sua alimentação

O autocuidado é fundamental para lidar com as mudanças desse momento. Cuide do corpo, das unhas, dos cabelos, faça a sua maquiagem – se você gosta – fazer a barba, usar perfume como estava acostumada. Desta forma você sinaliza para o cérebro que você está vivo, ativo, e portanto produtivo.

É preciso levar em conta também um planejamento nutricional, é preciso mais do que nunca inserir na sua dieta, alimentos saudáveis, ricos em frutas e fibras. O alimento é nosso combustível e deve ser de qualidade, pois a alimentação inadequada prejudica a saúde, a memória , e muitas vezes, a capacidade de decisão.

  • 4. Faça meditação

A meditação pode ajudar a acalmar, sendo uma grande aliada no combate à ansiedade, e ao stress e aos problemas para dormir. Exercícios de respiração e relaxamento contribui para um sono de qualidade.

  • 5. Pratique exercícios físicos

As atividades físicas são responsáveis por diminuir a ansiedade e o stress, além de melhorar a qualidade do sono e a concentração.

  • 6. Consuma informações de forma equilibrada

Evite o excesso de informações, determine um horário do dia para abrir os sites de notícias, as redes sociais, e para assistir aos noticiários. Acompanhar a cada minuto as notícias serve apenas para aumentar os níveis de ansiedade e sentimento de desesperança. Procure informações em lugares que sejam de confiança – por exemplo, -órgão competente – e , evite fazer isto durante a noite para não prejudicar o sono.

  • 7. Vá a um "rolê" virtual com amigos e familiares

Nesse período de afastamento social conecte-se com as pessoas , faça ligações, mensagens e vídeo chamadas - podem amenizar a distância e estreitar laços.

Aproveite o momento para promover encontros virtuais com seus familiares, amigos, colegas de trabalho, ou pessoas da sua vizinhança. Troque experiências, cante, dance e não deixe de demonstrar afeto para sua rede de relações.

  • 8. Inclua as crianças

Assim como nós as crianças também estão passando por mudanças importantes. A rotina delas foi alterada e isso já é causa de stress e necessidade de adaptação. É preciso criar uma rotina para a segurança emocional dos pequenos. Determine hora para dormir, acordar, comer, brincar, fazer as atividades da escola e realizar atividades aquietantes – meditar, orar.


Aproveite para fazer uma receita juntos, cuidar das plantas, desenhar, contar histórias, criar personagens e socializar virtualmente com a vovó e o vovô, o titio e a titia. ( UNICEF – Fundo das Nações Unidas para a Infância).


Divirtam-se e se cuidem!


E lembrem-se: caso os sintomas se tornem recorrentes, procure a ajuda de um profissional durante a pandemia , muitos psicólogos e terapeutas têm aproveitado para atender aos pacientes virtualmente.


Um abraço, Rúbia.

Arquidiocese de Belo Horizonte | Paróquia Santo Antônio Vila Belém

Rua Sidônia, 185 - São Salvador | Belo Horizonte

(31) 3477-6031

  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram