Buscar

A família e o dependente químico

A dependência química é uma doença que pode estar relacionada com a família, uma vez que quando há histórico de abuso de substâncias os riscos de outras pessoas na família desenvolverem são maiores.


Há também o fato da dependência química ser uma doença biopsicossocial que afeta toda a família. Por isso, muitas vezes a saída mais comum dessas é a superproteção ou o abandono.


Muitos podem entender como uma falha de caráter, porém a dependência química é uma doença, classificado pelo CID (código internacional de doenças) como F19 – transtornos mentais e comportamentais devidos ao uso de múltiplas drogas e ao uso de outras substâncias psicoativas.


A família nesse processo é o caminho para o equilíbrio e sustentação do dependente em seu processo de recuperação.


Entender a fundo a doença

Quanto mais você souber sobre a doença da dependência química, mais poderá saber o que acontece com o dependente e saberá o que pode fazer para ajudá-lo.


Dar apoio emocional

O suporte emocional é mais importante do que você pode imaginar. O dependente quando em recuperação está em dor não só por se afastar de algo que seu corpo dependia, mas também pelos conflitos internos e processo de reestruturação de suas crenças e pensamentos.


Ter empatia

O processo de ajudar um dependente não é tarefa fácil, posso lhe confirmar que é uma tarefa árdua e complexa, porém recompensadora ao ver a pessoa seguindo para uma nova maneira de viver.


Fazer intervenções quando necessário

Em alguns casos é preciso fazer intervenções pontuais para que não fique à mercê do dependente. Se chegar ao caso é preciso confrontar o dependente com as verdades para que ele volte à realidade e entenda a situação que se encontra e porque está em recuperação.


Participar ativamente do tratamento

Ser presente e ativo no tratamento faz toda a diferença, incentiva a comunicação entre você e o dependente.


O que evitar falar para um dependente químico durante o tratamento de reabilitação?

Evite comentários que passem ideia de julgamento, esse tipo de comentários ainda que na prática possam ser verdade não favorecem a recuperação, o dependente em recuperação muitas vezes ainda não tem a estabilidade emocional para ouvi-los.


O que é preciso, sempre, é perdoar, se livrar do sentimento de culpa e acreditar, de maneira que o dependente possa reconstruir sua vida e que a família, por sua vez, possa também retomar a sua.


Clínica Social Santo Antônio (31) 9 9715 1755

Rúbia Mara de Assis - Psicóloga 04/13 242